terça-feira, 30 de agosto de 2016

"As taxas de insucesso na criação de empresas são elevadas"

Criar novos negócios 

(título de mensagem, datada de agosto de 2016, disponível em Empreender)

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

"O nosso problema não é que os nossos jovens saiam, é que não venham outros"

«Única reitora no ensino superior público português, Ana Costa Freitas conquistou a direção da Universidade de Évora à segunda eleição, depois de passar por Bruxelas, como conselheira de Durão Barroso, onde aprendeu como funcionam os lóbis. Quer ver o Alentejo com mais trabalho qualificado
Energia a fundo, Ana Costa Freitas não para. Com dificuldade, lá deixa de atender o telemóvel durante a entrevista. E quando se prepara para as fotos é abordada várias vezes por quem quer soluções para os seus problemas. Uma abordagem fácil e sem cerimónias.
É agrónoma e investigadora na área alimentar, estamos mais seguros em relação ao que comemos?
Sim. Temos mais conhecimento, portanto estamos mais seguros. O uso de herbicidas, pesticidas, é um exemplo, as pessoas precisavam de matar as ervas que danificavam as culturas, depois, com o avanço do conhecimento, concluímos que não faz só bem, também faz mal. O avanço do conhecimento não para.
Também se fabricam produtos sobre os quais desconhecemos as consequências.
Mas há um maior controlo. As alterações climáticas são uma realidade e são fruto da nossa atividade. Ninguém se lembra de desligar o frigorífico porque pode fazer mal, não é? Mas o sabermos que está a acontecer, permite-nos controlar.
O que é que os consumidores precisam de saber sobre o azeite e o vinho, os quais analisa?
Não estudo o azeite e o vinho em termos de segurança alimentar, propriamente, mas ao nível da qualidade. Saber como é que as diferentes castas de azeite ou de vinho têm influência no aroma, no paladar, etc. É caracterizá-lo, não é propriamente saber o que é que têm que possa fazer mal. Conheço o azeite e o vinho na sua composição química, e a composição química que é feita por cromatografia. Gosto imenso de estudar.
Vários tipos de matérias ou está focada na sua área de estudo?
Na minha área de estudo, mas, por exemplo, gosto muito de estudar sobre o ensino superior. Estive três anos e meio em Bruxelas e gostei muito de ver como é que funcionava a a Comissão Europeia.
Chegou a perceber?
Não, não, é um organismo imenso. Mas se me perguntar se percebo como é que funciona uma repartição de finanças também não percebo, porque há uma burocracia por trás, e quem diz uma repartição diz outro organismo. A Comissão tem um controlo imenso, e, portanto, muitos mecanismos montados. Da área que me interessava, que era a da investigação científica e da educação (Direção-Geral da Educação e Direção-Geral da Investigação), percebi mais ou menos: os programas, como funcionavam, agora dizer que conheço a Comissão não posso dizer.
São muitos lóbis, também?
Bruxelas funciona por lóbis, é permitido. Há lobistas mesmo, o que em Portugal não temos.
O lóbi português conta?
Não é não contar, não o fazemos tanto. Lembro-me de falar com o diretor-geral de Educação, que foi quem montou o programa Erasmus, um espanhol, e ele disse uma coisa muito engraçada: "Os portugueses e os espanhóis não fazem tanto lóbi; os ingleses são impressionantes, quase que eu sonho com uma coisa e, no dia seguinte, tenho um inglês a dizer-me como é que a devo pôr em prática."
Faltam lóbis em Portugal?
Sim, deveríamos ser mais ativos, mas acho que estamos a começar. Por exemplo, o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas tem um gabinete em Bruxelas com o conselho das universidades espanholas, cujo objetivo é dar a conhecer a nossa posição. Estamos na revisão do Horizonte 2020 e a preparar o novo programa-quadro e, portanto, é preciso estar em Bruxelas, conhecer, ir, visitar.
É por isso que a Universidade de Évora está a apostar na ligação à Universidade da Extremadura?
Não, não é só por isso, é também uma questão de proximidade. Entendo que toda a formação que dermos aos nossos alunos e toda a investigação será melhor se estivermos em rede, redes internacionais. Quanto mais nos conseguirmos relacionar com universidades estrangeiras e quanto mais os nossos alunos puderem visitar outras realidades, mais preparados ficam.
Para trabalhar em Portugal ou no estrangeiro?
Sim. É obrigação do Estado dar o máximo de educação e de formação, mas duvido que Portugal, e os países mais pequenos, sejam capazes de ter empregos qualificados para tantas pessoas, muitos precisarão de ir para fora. O nosso problema não é que os nossos jovens saiam, é que não venham outros. Temos de garantir que há este intercâmbio constante e os nossos alunos devem estar preparados para arranjar o emprego que quiserem e onde quiserem.
Temos empregos para atrair jovens estrangeiros qualificados?
O nosso país tem de ter mais emprego qualificado, temos pouco. Estou muito empenhada nisso aqui no Alentejo. As pessoas não se fixam num local porque gostam da terrinha, isso é um disparate, fixam-se se tiverem um emprego.
E boas condições de trabalho.
E boas condições de trabalho, para os que cá estão ou outros. A ligação à Extremadura tem que ver com isto, com tornarmo-nos mais fortes, estabelecermos redes, prepararmo-nos melhor e darmos mais possibilidades aos nossos estudantes. Temos uma fronteira porque somos países diferentes, mas entre Elvas e Badajoz não há muitas diferenças.
Mas eles têm mais poder económico, melhores salários.
Penso que isso não acontecerá tanto em relação à Extremadura espanhola, que é a região de Espanha com menos rendimento per capita, mas não faço ideia dos ordenados a nível do ensino.
Sente estar em igualdade de circunstâncias com os espanhóis?
Completamente, aliás, temos um docente que é espanhol, que é quem faz esta ligação. Conheço o reitor da Extremadura há muito tempo, foi vice-reitor quando eu era vice-reitora, agora é o presidente do conselho de reitores, e temos uma boa relação. Temos cursos em Évora em que os alunos deles podem fazer cá um semestre, e damos equivalências, e o mesmo acontece com os nossos alunos na Extremadura. É a dupla titulação: têm o grau português e o grau espanhol.
Defende mais qualificação, o que significa melhores salários. Os empresários portugueses compreendem isso?
Pois, não sei. Mais qualificação implica mais salário, teoricamente, Agora, para a pessoa em si, é sempre bom ter mais qualificação, o conhecimento é sempre bom. A questão do salário tem que ver com a economia e com o empreendedorismo. Se uma pessoa não conseguir o emprego correspondente ao grau académico, poderá ser frustrante, é um facto. Mas tem uma bagagem diferente e, portanto, tem possibilidade de fazer-se à vida com mais ferramentas. Agora, o país mantém-se em crise. Independentemente disso, todos devemos lutar por mais emprego qualificado. No Alentejo, por exemplo, não me interessa só haver mais emprego, o que me interessa é mais emprego qualificado, para a região se desenvolver. Alguns empresários dizem: "Precisávamos de licenciados e não estamos a conseguir, criávamos cento e tal empregos." Não conseguem porque os salários são baixos; quer dizer que os nossos licenciados sabem o que valem, não ficam por um salário qualquer. Isso faz parte de terem a formação, o conhecimento de si próprios e de estarem mais fortes.
Qual é o grau de colocação dos licenciadas em Évora?
Depende das áreas, é muito difícil sabermos exatamente o grau de colocação, embora de há uns anos para cá só abrimos vagas de acordo com as inscrições nos centros de emprego. Mas não sabemos exatamente qual é o percurso dos nossos alunos após saírem da universidade. A inscrição no centro de emprego tem muitas variáveis, as estratégias das pessoas não são as mesmas. E é o único indicador e é bom para ter uma noção, mas não é completamente certo. Queremos começar a seguir mais os alunos.
Qual é a percentagem dos que são de fora do distrito?
É uma percentagem muito elevada, mas confesso que acho mais importantes outros indicadores.
Elevada, quanto?
Talvez 60%. Mas mais importante do que saber quantos são de fora, é saber quantos nos escolhem em primeira e segunda opções. Se vêm de fora porque não conseguiram entrar noutra universidade e escolhem Évora na quinta opção, é muito bom, mas não é isso que me interessa. E temos cursos, por exemplo, Medicina Veterinária, em que entram quase todos na primeira opção. Engenharia Mecatrónica tem poucos alunos mas entram em primeira opção e esse tem quase 100% de empregabilidade. Os que vêm de fora são importantes em termos de pagamento de propinas, de preencher vagas, etc., mas não é o mais importante.
Contribuem para o financiamento da universidade, trazem outra dinâmica à cidade.
Evidentemente que é importante, por tudo, para a sustentabilidade da universidade. E muitos alunos vêm para cá sem ser em primeira ou segunda opções e, depois, gostam imenso. A cidade é muito acolhedora, estudar em Évora é mais fácil do que nas grandes cidades. E o ambiente da universidade é mais fácil, os alunos falam comigo com muita facilidade.
Quantos alunos têm?
Aproximadamente 6500. Depois temos uma característica muito boa: a percentagem de alunos de doutoramento em relação aos alunos de licenciatura, que é igual à das grandes cidades. Lisboa tem à volta de 10% e nós também.
As propinas são mais elevadas.
Paga-se mais, mas a questão não é essa. Os doutoramentos dão a noção de que somos procurados a nível da investigação. Os alunos só vêm fazer doutoramento com quem consideram e porque conhecem a investigação. E muitos vêm com bolsas que só são ganhas se os projetos forem bons. Há duas dinâmicas: estarmos preocupados em ter alunos para pagarem propinas ou em ter alunos porque somos reconhecidamente uma boa instituição, o meu objetivo é sermos reconhecidamente uma boa instituição. As propinas são importantes, mas quero crescer por ter muita qualidade.
Porque é que aceitou o convite de Durão Barroso para Bruxelas?
Concorri à reitoria da universidade em 2010 e não ganhei. E achei que me faltava perceber a dimensão europeia da investigação e da educação. Tinha tido alguns projetos, muitas publicações, mas não, propriamente, projetos europeus. Estive nos Estados Unidos, por duas vezes, mas nunca num país europeu. E gostei imenso de Bruxelas. Trabalhei coma chief scientific adviser de Durão Barroso, que era a professora Anne Glover, e ligada às universidades: à modernização e à investigação. E a Bélgica é o coração da Europa, não tem nada que ver com morar em Portugal. Estamos numa pontinha, de cada vez que queremos ir a qualquer sítio, temos de atravessar Espanha, pelo menos ali não, é muito diferente. Foi um trabalho muito burocrático, não tem nada que ver com a investigação, mas tive contactos com pessoas da investigação e, portanto, foi uma boa preparação para a reitoria. E eu até tinha intenção de me candidatar novamente.
Mas, provavelmente, tem mais poder aqui, numa universidade.
Sim, poder não tinha, foi importante em termos de formação pessoal. Foi interessante ver como funcionavam as pessoas que têm o poder, falar com elas, com os diretores-gerais, com os comissários, etc. Como é que são tomadas as decisões, o trabalho que leva até se chegar a uma decisão.
Foi muito crítica da atuação de Nuno Crato como ministro da Educação, porque é que aceitou entrar nas listas da coligação?
Era um ministro imensamente simpático, mas não exerceu a pasta do ensino superior. Tinha um secretário de Estado para o Ensino Superior e outro para a Ciência, o que não deveria acontecer. E depois há uma coisa que os nossos políticos fazem muito - toda a gente faz - que é mudar tudo quando chegam. Nada se muda em quatro anos e, portanto, romper com tudo significa que estamos sempre a começar do zero, o que não faz sentido. E foi o que aconteceu, por exemplo, com a avaliação dos centros. O atual ministro está a tentar inverter isso, ignorando a rutura destes quatro anos. Mantém a estratégia seguida por Mariano Gago.
Com qual concorda mais?
Concordo e os números dizem que só se pode concordar mais. Não tínhamos estrutura científica em Portugal até à criação de centros científicos; não tínhamos a preocupação de formar as pessoas para a ciência, como agora, há inúmeros centros de Ciência Viva. Não tínhamos uma carreira académica até ao Estatuto da Carreira Docente, com Bolonha tivemos o Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, etc. Houve várias alterações que até podemos criticar e que precisam de ser melhoradas - nada é perfeito no princípio -, mas havia uma estratégia. E foi essa estratégia que colocou Portugal no mundo.
Aplica esse princípio na universidade?
Sim. Em relação à reitoria anterior ou às reitorias anteriores, não me interessa o que é que fizeram de mal, porque isso eu não vou repetir. O que interessa é o que fizeram de bom e construir a partir daí. Porque se a pessoa toma a decisão de que estava tudo mal, então vou começar do zero outra vez? Os mandatos de reitor também são de quatro em quatro anos, temos de ter um fio condutor.
No entanto, em termos políticos, está mais próxima do PSD.
Fiz parte das listas como independente. A minha decisão tem que ver com o facto de achar que Portugal tem um problema grave. Portanto, espero que este governo, muito sinceramente, consiga levar-nos a bom porto. Temos é de resolver o problema económico.
Como?
Não percebo nada de economia, só de economia doméstica. Aquela sensação de que quando devemos temos de pagar é aquilo que faço em minha casa. Agora, se for verdade que conseguimos o crescimento económico de que precisamos e eliminar o défice com as políticas que estamos a seguir, encantada da vida, porque nós estamos a viver melhor, é um facto.
Sente-se isso em relação aos alunos, em relação ao pagamento das propinas, por exemplo?
Isso não se sente nada, ainda. Não há diferença nenhuma. Mas os funcionários públicos estão a viver melhor, foram muito martirizados. Os alunos, não sei. Fizemos um inquérito sobre o abandono escolar e, na realidade, a parte económica não é a principal razão. Os alunos têm as bolsas dos serviços da ação social do Estado e distribuímos mais cem bolsas. Mas, em termos políticos, achei que no final da legislatura anterior começávamos a ver uma luz ao fundo do túnel. E foi isso que me fez aceitar o convite. Convite esse que não implicava a saída da universidade. Sabia em que posição estava na lista.
Não pôs a hipótese de ir para o Parlamento?
Não, de todo. A reitoria é um projeto apaixonante, o resolver problemas e o ter uma visão sobre o que é que se quer para a universidade e também para o Alentejo, de uma forma geral, em ligação com os institutos politécnicos e as indústrias daqui. Elegemos algumas áreas como fundamentais, como o património, a agricultura, a energia, porque são aquelas em que temos de apostar. E há uma mudança enorme no Alentejo e que temos de acompanhar, essa mudança tem que ver com maior nível de educação. Na agricultura, já não temos nem lavradores nem agricultores, temos gestores agrícolas. A indústria está a fixar-se aqui, não só porque temos melhores condições mas também porque há pessoas a serem formadas. Depois, há uma revolução enorme, que foi o Alqueva.
Chegou a ser indicada como a ministra da Educação da coligação.
Nunca fui contactada nesse sentido.
Acha que faria melhor do que Nuno Crato?
Nunca pensei nisso, mas não gostaria de estar à frente do Ministério da Educação, sinceramente. Quem vai para a gestão de uma universidade, pelo menos, conhece a realidade, não é? A nível do Ministério da Educação não faço ideia. Nem sei bem o que é que fez Nuno Crato em termos da Educação, propriamente dita. De uma coisa eu tenho a certeza: não há ninguém que vá para lá fazer mal conscientemente. Pode haver alguns casos muito particulares, mas, de uma forma geral, não acredito. Uma vez, em Bruxelas, num debate entre Durão Barroso e Shimon Peres, ouvi Shimon Peres dizer que quem governa o mundo são as multinacionais e que os governos são as mulheres-a-dias das multinacionais. Há uma dimensão acima de nós, acima dos governos, que não tem que ver só com a Comissão Europeia nem com a Europa, tem que ver com o mundo como ele é, com os mercados, que não sabemos quem são, são coisas sem rosto e que falam sobre todas as coisas.
Acabou por ser eleita reitora à segunda vez. É persistente?
Quando acredito numa coisa, sim. Era um desafio, eu tinha ideias, achava que poderia melhorar a universidade e fui construindo um programa que achei interessante e que podia ser desafiante.
O que é que mudou da primeira candidatura para a segunda. Aprendeu a fazer lóbi?
Não. Nós somos eleitos pelo Conselho Geral, que tem 25 pessoas. E fiz uma lista para o Conselho Geral, coisa que não tinha feito da primeira vez. Apresentei o programa, discuti-o e arranjei apoiantes, o que não tinha feito, achava conscientemente que bastava apresentar um programa e que as pessoas o iam ler, que votavam no que achavam melhor.
Tem de se mexer uns cordelinhos para garantir a votação.
Sim. E duvido de que as pessoas, tanto a nível nacional como internacional, leiam os programas de governo e os programas dos partidos antes de votar. Na universidade é um bocado a mesma coisa.
Perdeu a ingenuidade.
Perdi a ingenuidade? A gente vai perdendo uma data de coisas ao longo da vida, a ingenuidade, provavelmente, é uma delas.
Já houve paridade na equipa reitoral, agora são quatro homens e três mulheres, o que é que aconteceu?
Tinha uma vice-reitora que foi para administradora do Hospital de Évora e foi substituída por um vice--reitor. Mas não foi intenção a paridade, aconteceu por acaso.
Como é ser reitora num mundo de homens? Faz diferença?
Sei o que é que é ser reitora, não sei o que é ser reitor, se um reitor se sente diferente do que eu sinto.
Alguma vez se sentiu discriminada?
Não, de todo. Vamos lá ver. Se chegássemos ao limite em que os reitores tivessem esses problemas com colegas que são reitoras, era um bocadinho estranho, há um nível de formação académica. Mas não acho que esteja totalmente fora da cabeça da maioria das pessoas, acham curioso eu ser reitora, homens e mulheres. Há sempre menos mulheres em cargos dirigentes, o que está mais do que estudado. Por exemplo, na vida académica, é fácil chegar a professora, fazer o doutoramento, ser professora auxiliar, professora associada, etc. Chegar a professora catedrática é mais difícil e aos cargos dirigentes é ainda uma percentagem menor. Saber se é porque as mulheres, depois, não querem ou não conseguem, já não é tão claro.
Consegue perceber porque é que não há mais reitoras?
Não, quer dizer, há uma maior percentagem de homens nos lugares de topo das universidades e, portanto, a possibilidade de eles se apresentarem é maior. O que é curioso porque o número de mulheres a entrar na universidade é maior, licenciam-se mais. As mulheres têm a vida familiar, os filhos, usam mais a licença de maternidade do que os homens, portanto, pode ser por isso, torna-se mais difícil estar em lugares de gestão.
Há uma gestão no feminino?
Acho que há uma diferença grande. Não quero ser injusta com os homens, mas há uma parte de sensibilidade feminina que também é transmitida para a gestão. Preocupo-me muito que as pessoas estejam bem, com o bem-estar das pessoas. Claro que os homens também se preocupam, mas talvez seja um bocadinho mais soft.
Quais são os principais problemas na gestão da universidade?
Como em qualquer gestão, há vários problemas, mas as pessoas são o principal. Todos temos uma maneira de pensar diferente, é preciso estabelecer consensos. Não há nada que se possa fazer por imposição, só se consegue envolvendo as pessoas no processo de decisão. É muito importante. Não se diz "tem de ser assim". Estamos a tratar com pessoas e que só se envolvem realmente em coisas em que acreditam. O mais importante é que acreditem no projeto e isso só se consegue se estivermos em diálogo, a explicar e a dizer os nossos pontos de vista. E quando eu digo as pessoas, são as daqui e fora daqui, com todos com quem falamos.
Alguma coisa a surpreendeu?
Não. O que temos é um controlo muitíssimo apertado por parte do Estado, somos uma instituição pública. Fazemos reportes mensais, o que deve ser igual a outros organismos públicos. Mas nós somos autónomos, temos um orçamento próprio e que gerimos de uma forma muito criteriosa, porque os orçamentos das universidades não são aumentados desde não sei há quantos anos.
O que fazem para obter receitas?
Recorremos a várias soluções, por exemplo, o pagamento de entrada para as visitas à universidade [três euros]. Houve uma altura em que cobrávamos durante as férias, agora isso acontece durante o ano inteiro. No mês passado tivemos mais visitantes do que o Museu de Évora, 3000 . É uma boa receita e vamos ter de explorar ainda mais, é bom e que faz todo o sentido. A universidade é muito bonita, também temos concertos no claustro, e há muita curiosidade. Foi o primeiro edifício em Portugal construído para uma universidade, em 1559.
É a tal gestão doméstica?
Não é só a gestão doméstica. É entender que não se pode dar tudo, porque é que havemos de dar isto, assim, de mão beijada, quando os museus se pagam, a catedral, etc.? E, curiosamente, as pessoas passaram a vir mais desde que se paga.
"Évora é mais calma do que Lisboa, às vezes, um bocado calma de mais"
Nasceu e cresceu em Lisboa, como é que foi passar da grande cidade para a pequena cidade?
Já tinha vivido em Évora. Sou agrónoma e fui convidada quando a universidade abriu o curso de Engenharia Alimentar - que, entretanto, fechou -, e era uma área a que estava mais diretamente ligada do que o Departamento de Química da Universidade Nova, gosto mais desta parte do que da Química. Vim para cá por causa disso, foi um desafio de carreira. Foi um professor do Departamento de Fitotecnia que me fez o convite.
Tinha filhos pequenos, é mais complicado?
Tenho três filhos, já são grandes, e sete netos. E isso também pesou, a a minha filha casou nesse ano e veio viver para Évora. E, portanto, tudo se conjugava. O meu filho Diogo estava a estudar em Évora. Estava a viver em casa do pai, o meu ex-marido mora cá. E o mais novo ia de Erasmus para Trento, é formado em Direito. Saíam todos de casa ao mesmo tempo e, também por isso, foi mais fácil.
Qual é a principal diferença em relação à vida que levava?
Évora é mais calma, às vezes um bocado calma de mais. Depois é menos consumista, porque não tem onde consumir, não tem cinema, por exemplo. Não tem centro comercial, as lojas fecham ao sábado à tarde. É diferente. Mas está muito perto de Lisboa, a pessoa vai facilmente a Lisboa. É um hábito.
Quem está numa direção terá pouco tempo e é indiferente onde vive. É assim?
Sim, eu saio de casa às oito e meia da manhã e volto às nove e meia da noite, nos dias normais. Ontem, por exemplo, tive um jantar em Lisboa e cheguei à uma da manhã. É um bocado indiferente, é verdade.
Qual foi a principal dificuldade na adaptação?
Foi o facto de o Departamento de Fitotecnia da Universidade ser na Herdade da Mitra, que é a dez quilómetros daqui. Mas em Lisboa também trabalhava no Monte da Caparica, a diferença é que aqui há menos gente. No Monte da Caparica toda a gente saía sempre muito tarde, aqui não. As pessoas, realmente, têm um ritmo de vida diferente. Nos primeiros tempos, a partir das cinco e meia, seis horas, sentia-me um bocado sozinha.
Ganhou qualidade de vida?
Ganhei qualidade de vida? Não sei. Gostava muito de viver em Lisboa e gosto muito de Lisboa, sou de Lisboa e toda a minha vida vivi lá. As pessoas dizem que é qualidade de vida, claro que é qualidade de vida sair do Monte da Caparica e levar duas horas a chegar a casa - morava em São João do Estoril - e, agora, levo um quarto de hora. Agora, também me tinha habituado a ir pela Marginal e a ver o mar. Acho que há mais qualidade de vida para quem tem filhos mais novos. Por exemplo, um dos meus filhos mora cá e outro mora em Lisboa, o que mora cá tem mais tempo para ir buscar os miúdos à escola, para estar em casa a horas, etc. Há mais qualidade de vida nessa altura do que propriamente na minha.
Mantém a casa em São João do Estoril?
Não, a minha mãe mora em Cascais e fico em casa dela. E o meu filho também mora em Lisboa. Acho um disparate ter mais do que uma casa. A pessoa nunca está instalada, não tem tempo para estar em casa durante a semana e, depois, ao fim de semana vai para outro sítio, onde não está bem instalada. Gosto de ficar em casa ao fim de semana, é a única altura que tenho.
Qual foi a principal medida que tomou?
Foi a aprovação do plano estratégico e, portanto, a definição das áreas principais. O que não é fácil, porque todas as pessoas, obviamente, acham que as suas áreas são as fundamentais. A ciência, hoje, não é vertical, é transversal. Elegemos essas áreas - foi difícil a aprovação, em conselho geral e etc. -, mas aos poucos as pessoas estão a ficar um bocadinho focadas nisso. Depois, há algumas decisões que devem ser tomadas de cima, por exemplo, abrir concurso para professores catedráticos de acordo com as áreas fundamentais. E tentar que as pessoas trabalhem em conjunto, até entre as escolas, e nós temos tentado fazer isso.»

(reprodução de entrevista DIÁRIO DE NOTÍCIAS online, de 29 de agosto de 2016)

[cortesia de Nuno Soares da Silva]

sábado, 27 de agosto de 2016

"Número de estrangeiros que fazem um curso superior em Portugal aumenta 18%"

«No ano lectivo de 2014/2015, 5 mil estrangeiros completaram um curso superior em Portugal, a maioria brasileiros e espanhóis. Entre os portugueses, são os estudantes de doutoramento os que mais saem do país.

Quase 5000 alunos estrangeiros completaram os seus cursos superiores em Portugal no ano lectivo 2014/15, revelam os resultados preliminares do Registo de Alunos Inscritos e Diplomados do Ensino Superior (RAIDES), divulgados esta semana. Este número representa um crescimento de 18% face ao ano lectivo anterior (3968 estrangeiros licenciados) e confirma a maior capacidade de atracção de estudantes internacionais pelo sector. Os brasileiros e os espanhóis são os que mais procuram as instituições de ensino nacionais.
De acordo com as estatísticas publicadas pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), houve no ano passado 4839 diplomas emitidos pelos estabelecimentos de ensino superior portugueses a estudantes que tinham realizado o ensino secundário no estrangeiro, o que representa 5,1 % do total de alunos que completaram os seus cursos superiores em 2014/15 (ver caixa).
O aumento no número de alunos estrangeiros que fazem um curso superior em Portugal verificou-se sobretudo no ensino universitário privado (34,2% do total de diplomados internacionais) e nos politécnicos públicos (19,5%). Este resultado é a consequência “da estratégia que tem vindo a ser seguida pelos institutos politécnicos no sentido da valorização da sua internacionalização”, sublinha ao PÚBLICO fonte do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP).
Desde a aprovação do Estatuto do Estudante Internacional, há dois anos, que as universidades e politécnicos públicos têm reforçado a sua estratégia de atração de alunos estrangeiros. No entanto, estes números do RAIDES reflectem uma realidade que é anterior à entrada em vigor daquele diploma. Os alunos formados em 2014/15 terão obrigatoriamente que ter entrado no ensino superior pelo menos três anos antes. O reitor da Universidade de Aveiro, Manuel Assunção, defende que o trabalho de divulgação das instituições de ensino portuguesas junto dos estudantes estrangeiros “vinha de trás”. “Há muito que as universidades tinham ganho sensibilidade para este tema”, defende aquele responsável, que coordena o grupo de trabalho sobre internacionalização dentro do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP).

Instituições presentes em feiras internacionais

Desde há uma década que as instituições de ensino superior nacionais têm estado sistematicamente presentes em feiras internacionais de qualificações e mantido estratégias individuais de divulgação da sua oferta formativa junto de diferentes mercados. A prática que começou a ser seguida pelas maiores universidades está hoje generalizada. A presença regular das principais universidades nacionais nos rankings internacionais do sector “também ajuda a consolidar a ideia de que Portugal é uma mais-valia como destino para estudar”, considera Manuel Assunção.
Estes números dizem respeito apenas aos alunos que fazem toda a sua formação superior (licenciatura, mestrado ou doutoramento) em Portugal, não incluindo os que passam períodos de mobilidade parcial como os que estão integrados no programa Erasmus e outras iniciativas de intercâmbio. No último ano lectivo havia quase 34 mil estudantes estrangeiros inscritos no ensino superior nacional, significando um crescimento de 74% nos últimos cinco anos.
As universidades e politécnicos públicos vão agora reforçar o seu trabalho de promoção do país enquanto destino para estudar, tendo tanto o CRUP como o CCISP conseguido, recentemente, um financiamento por fundos comunitários para apoiar as suas estratégias de internacionalização. Ambos os subsectores vão criar marcas próprias para facilitar a sua divulgação e reforçar a presença em feiras internacionais e eventos de divulgação.

Lisboa e Norte com mais licenciados

A nível regional, os diplomados em mobilidade internacional concentraram-se na Área Metropolitana de Lisboa (42,5%) e no Norte (28,7%), em linha com a distribuição da própria rede de ensino superior nacional, que se concentra à volta das duas maiores cidades do país. Os números do RAIDES mostram que os brasileiros e os espanhóis são os que mais procuram as instituições nacionais. De acordo com os dados oficiais, 35,2% dos diplomados em mobilidade internacional tinham feito o ensino secundário no Brasil, ao passo que os alunos vindos de Espanha representam 31% de todos os diplomados que chegam de países da União Europeia para Portugal.
Espanha é também o principal destino para os estudantes portugueses que saem do país durante o seu curso superior. De acordo com o RAIDES 2014/15, 15,4% dos estudantes que fazem parte da formação em mobilidade escolhem o país vizinho. As outras preferências são Itália (11%) e Polónia (10,7%).
As estatísticas da DGEEC mostram que o número de estudantes diplomados em Portugal que fizeram uma parte dos seus cursos no estrangeiro também cresceu no último ano 2%. Em 2014/15, 5.104 diplomados (5,4% do total de diplomados) tiveram durante o seu percurso académico uma experiência em mobilidade internacional.
É entre os estudantes portugueses que concluíram um doutoramento que a procura por uma experiência de mobilidade internacional é mais acentuada, com 17,6% dos alunos deste grau académico a passarem pelo menos uma temporada no estrangeiro. Seguem-se os mestrados integrados (15,1%) e as licenciaturas (6,9%).

Mais diplomados no último ano

As universidades e politécnicos formaram no ano lectivo passado mais 1500 pessoas do que no ano anterior. Este crescimento no total de estudantes que concluíram os respectivos cursos superiores verificou-se apenas no sector público, mostram os dados preliminares do RAIDES relativos a 2014/15, uma vez que os privados registaram uma quebra.
Segundo as estatísticas da DGEEC foram emitidos 94.537 diplomas no ensino superior no último ano lectivo, o que representa um aumento de 1,6%. Este crescimento foi conseguido à custa do sector público, onde o número de diplomados sofreu um aumento de 2%. Já entre as instituições privadas, que atribuíram 17% (16.098) dos cursos no ano passado, houve um decréscimo de 2%.
As áreas com maior número de alunos formados não sofreram alterações. Desde 2005/06 que as preferências dos alunos se concentram em três sectores, que somam mais de dois terços do total de graduados. Assim, 28.844 pessoas (30,5%) tiraram um curso na área de Ciências Sociais, Comércio e Direito, seguindo-se a Engenharia, Indústrias Transformadoras e Construção (17.564 diplomados, correspondendo a 18,6% do total) e Saúde e Proteção Social, com 16.140 formados (17,1%).
À semelhança do ano letivo anterior, a área de Agricultura registou o maior aumento no número de diplomas: 13,1% (de 1834 para 2074 diplomas). Em sentido contrário, a Educação manteve a tendência de 2013/14 apresentando o maior decréscimo no número de formados: menos 2,8% (de 7357 para 7150).»

(reprodução de notícia PÚBLICO online, de 26/08/2016)

[xortesia de Nuno Soares da Silva]

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Pormenores que fazem a diferença

A Vienna University, além de ser um verdadeiro Campus Universitário e onde se "sente" que os alunos percepcionam as vantagens que têm (Yes, it's quite a great Campus for us, disseram-nos eles), todos os espaços interiores são presenteados com pequenos ecopontos, com cores que desconhecíamos. Os assentos exteriores dos edifícios, assim como os caixotes do lixo, têm escrita Braille e a natureza aparece de forma natural para adornar o espaço público, que é imenso.
As salas de aula têm o melhor equipamento possível, com dois projectores multimédia e vários tipos de quadros que permitem uma maior criatividade ao professor. A "cereja no topo do bolo" aparece quando se constacta que cada sala tem cabides na parede, mesmo para quem tem limitações físicas e se movimenta de cadeira de rodas...
A Vida é Bela apenas para alguns...


Vienna University of Economics and Business: um campus que vale (muito) a pena visitar



quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Vienna University of Economics and Business

Foto de um campus impressionante pela qualidade arquitetónica dos seus edifícios (futuristas)



terça-feira, 23 de agosto de 2016

"3234 bicicletas para as universidades"

«Investimento público de €6 milhões para pôr estudantes e professores do ensino superior a pedalar acaba de receber €4,8 milhões de fundos europeus do Portugal 2020
Quinze instituições de ensino superior público vão investir mais de €6 milhões na mobilidade sustentável da comunidade académica com o patrocínio dos fundos europeus do Portugal 2020. Estas universidades e institutos politécnicos vão adquirir um total de 3.234 bicicletas, das quais 2.096 elétricas e 1.138 convencionais, para utilização das comunidades académicas, sobretudo por alunos mas também docentes e colaboradores.
As bicicletas não são para ficar paradas enquanto os estudantes continuam a ir para a faculdade de automóvel ou de mota. Até 2018, deverão ser percorridos mais de 2.412.141 km nas bicicletas de modo a gerar economias de energia de 166,34 tep (toneladas equivalentes de petróleo) em detrimento da utilização do modo de transporte individual motorizado.
 Foi com este objetivo que o programa operacional para a sustentabilidade e eficiência no uso de recursos (POSEUR) dos fundos europeus do Portugal 2020 acaba de aprovar um financiamento do fundo de coesão na ordem dos €4.762.384, comparticipando em praticamente 80% este investimento público que totaliza €6.059.028.
Serão igualmente desenvolvidos mais de 230 produtos de comunicação, sensibilização e promoção da mobilidade sustentável e energeticamente eficiente para chegar aos 175 mil potenciais ciclistas nas comunidades académicas aderentes.
 Eis as quinze instituições públicas de ensino superior que viram as candidaturas agora aprovadas pelo Portugal 2020 e que receberão fundos europeus para investir em bicicletas no âmbito do projeto U-Bike Portugal:
Instituto Politécnico de Beja
 Instituto Politécnico de Bragança
Instituto Politécnico do Cávado e do Ave
 Instituto Politécnico de Leiria
Instituto Politécnico do Porto
 Instituto Politécnico de Viana do Castelo
 ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa
Instituto Superior Técnico
Universidade de Aveiro
Universidade da Beira Interior
 Universidade de Évora
 Universidade do Minho
Universidade Nova de Lisboa
Universidade do Porto
 Universidade de Trás os Montes e Alto Douro»

 (reprodução de notícia EXPRESSO online, 22.08.2016)

[cortesia de Nuno Soares da Silva]

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

"Acordo entre universidades permite acesso a 4.º ano de Medicina em Madrid"

«Graças a um acordo entre duas universidades privadas, uma portuguesa e outra espanhola, vinte alunos de Ciências Biomédicas estão em Madrid a estudar Medicina. Em Portugal não entraram por décimas ou centésimas. Ordem dos Médicos diz que estão a “contornar sistema de ensino superior".

Quando Filipa Soares, 22 anos, descobriu que poderia fazer o equivalente a metade dos seis anos de Medicina em Portugal e os restantes na Universidad Alfonso X El Sabio (UAX), em Madrid, poupando tempo e dinheiro, nem pestanejou. O sonho estava ali a uma distância de três anos e a mais de 500 quilómetros de casa. Só tinha de se licenciar em Ciências Biomédicas e fazer 50 créditos em cadeiras extra-curriculares, na Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU), em Gandra, Paredes. Mais os exames de admissão ao quarto ano da universidade madrilena.
Ela e mais 19 colegas de turma, com médias a rondar os 15 e os 18 valores, que, por décimas ou centésimas, se viram privados de seguir o sonho nas universidades públicas portuguesas. Aproveitaram um acordo, firmado em 2012, entre as duas instituições privadas que prevê, anualmente, 30 vagas para os finalistas de Ciências Biomédicas, mas com determinados requisitos a cumprir. O próprio plano curricular do Instituto Universitário de Ciências da Saúde (IUCS) da CESPU foi ajustado ao da universidade madrilena para que os estudantes portugueses estejam equiparados aos espanhóis e tudo corra sobre rodas. Como aconteceu com Filipa Soares, de Vila Nova de Gaia, cada vez mais convencida de que fez a melhor escolha ao desistir do ingresso, com uma média de 16,6 valores, no curso de enfermagem, para estudar em Gandra e depois ser médica como a mãe. “Sem sombra de dúvida, a CESPU abriu-nos a porta para conseguir aquilo pelo qual sempre lutei e ainda nem acredito que o estou a viver”, diz, entre risos, mãos nos bolsos da bata branca e estetoscópio, que usa nas aulas práticas no hospital, à volta do pescoço.
Recomenda? “Claro que sim! Quem quer ser médico e por cá não consegue por causa das médias demasiadas altas, tem aqui uma boa oportunidade. Tenho amigos que entraram no primeiro ano noutras universidades estrangeiras e nós tivemos a sorte, mas com esforço, de o fazer directamente no quarto ano”, responde logo Filipa, com olhar brilhante. Também uma colega e amiga, que prefere não dar o nome, vê aqui a oportunidade ideal para conseguir “ser médica de tudo”, como em miúda costumava dizer. Ainda que por agora ande indecisa entre medicina interna, pediatria ou geriatria. “Mas vale mesmo a pena. Começámos com receio em Madrid, mas depois o ano correu muito bem e passámos para o quinto sem nenhuma disciplina em atraso”, conta.

As reservas da Ordem dos Médicos

As duas jovens e os restantes colegas, que já percorrem os corredores da UAX há quase um ano, vão, em Setembro próximo, “apadrinhar” e ajudar a ambientar 13 novos colegas acabados de se licenciar em Ciências Biomédicas, que, como eles, têm a hipótese de seguir a carreira que desejam. “Espanha dá-me a oportunidade que o meu país não deu: concretizar o sonho de ser médico”, desabafa José Carlos, 20 anos, desiludido com o sistema universitário português. O jovem de Valongo trocou o ingresso em engenharia mecânica na Universidade Nova de Lisboa pela CESPU para depois ir para Madrid. Tinha uma média de pouco mais de 16 valores, a mesma com que vai agora para Espanha.
Quem não se deixa convencer por estes argumentos é o bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, que apenas ouviu falar da CESPU e desconhece o seu curso de Ciências Biomédicas assim como o de Medicina da universidade madrilena. Também não tem conhecimento “dos pormenores” do acordo entre as duas universidades privadas que não vê com bons olhos e considera tratar-se de “uma forma de contornar o sistema de ensino superior português, diz numa entrevista por telefone. “No país, isto só acontece na CESPU.”
O presidente da faculdade, Almeida Dias – que já foi professor de Fisiologia na Faculdade de Medicina no Porto –, contesta e assegura tratar-se, sim, de “uma forma legítima de os alunos, que não conseguiram entrar por décimas ou centésimas, nas universidades portuguesas, verem os seus sonhos realizados”, como aconteceu com Mariana Pereira, 20 anos, que desistiu do ingresso em Farmacêutica, com uma média de 18,6 valores, para se candidatar a Ciências Biomédicas. "Só assim poderia seguir Medicina”, explica, satisfeita. “Por a CESPU ser privada, as pessoas pensam que as coisas são dadas de mão beijada, mas tive de trabalhar muito para ser admitida na universidade madrilena com uma média de 17 valores”, garante.

Completar quatro anos em três

“Estes alunos são heróicos, porque fazem quatro anos em três e há um esforço muito grande para se equipararem aos colegas espanhóis”, considera o coordenador do curso de Ciências Biomédicas, Ricardo Dinis. “Além de terem de frequentar, durante uma semana, em Madrid, uma disciplina de dissecação anatómica para depois irem a exame”, informa o presidente da CESPU que assegura que os alunos saem muito bem preparados da privada portuguesa. “É que por aqui não há facilitismos. Prova disso é o melhor estudante de Medicina, na UAX, ser um dos nossos licenciados que lá ingressaram, no último ano lectivo, segundo o decano de lá”, afirma, o coordenador do curso português. Sabe também, de antemão, que todos eles podem depois seguir carreira em Portugal, porque existe livre circulação de profissionais na União Europeia. O PÚBLICO tentou ouvir os responsáveis do curso da universidade madrilena, mas estes não estavam disponíveis.
Até aqui tudo bem e o bastonário concorda que o podem fazer por cá; mas só “se o curso for reconhecido em Espanha e desde que cumpram os requisitos legais, os licenciados podem inscrever-se na Ordem dos Médicos”. José Manuel Silva ressalva, contudo, que “a Ordem não garante a qualidade dos médicos, porque não faz avaliação às qualificações da preparação académica”. Pode depois acontecer não terem vagas de especialidade por cá, tendo em conta que, em Junho deste ano, 158 profissionais ficaram de fora das 1675 existentes.
Ainda assim, o bastonário lembra que nunca foi aprovado um curso de medicina privado em Portugal, porque “todas as universidades candidatas, até hoje, apresentaram défice de qualidade”. E chama a atenção para o facto de ser “muito exigente criar um curso de medicina, que requer um corpo docente preparado e muito variado. Também sem um hospital não é fácil”. O que já não é problema para a CESPU, assegura o presidente desta instituição “detentora de 79 por cento do capital social do hospital particular de Paredes, com um corpo de docentes e investigadores, mais de cem doutorados, e instalações mais do que adequadas”. Vai, por isso, concorrer – há mais de uma década que o faz – à criação da licenciatura de medicina, “porque é preciso perceber o ridículo que é não se aprovar o curso só porque é do sector privado”.

Um ano "prático e exigente"

Filipa Soares ainda nem acredita que vai para o quinto ano em Setembro. Tem “as pestanas queimadas de tanto estudar” para o provar, diz. “Foi um quarto ano muito prático, difícil e exigente. Tínhamos de ir, três vezes por semana, para o hospital e não passei logo na época normal dos exames, mas sim, na de recurso. O que nunca me tinha acontecido”, conta entusiasmada por, ainda assim, o curso lhe ter surpreendido pela positiva. “Até já suturei no final de uma cesariana, numa das aulas práticas no Hospital San Francisco de Asís. É uma experiência incrível pôr as mãos na massa”, diz a rir. Mas não estava verde de todo, porque “já tinha treinado em carne de animais, em modelos, no terceiro ano, no âmbito dos procedimentos médico-cirúrgicos, uma das disciplinas extra-curriculares” que teve de frequentar na CESPU para ter equivalência aos primeiros três anos da UAX.
Durante o primeiro parto natural a que assistiu, a jovem emocionou-se tanto que até chorou. Entre assistir a cirurgias de otorrinolaringologia e aprender com os médicos como informar os familiares dos utentes do seu estado, muitas foram as experiências vividas que tão cedo não vai esquecer. Assim como a amiga Joana Pereira, ainda que considere que este primeiro ano, em Madrid, não foi fácil. “No início, tive dificuldade em fazer uma história clínica do paciente e notei que os colegas espanhóis estavam bem mais à vontade. Mas com o tempo lá consegui.”»

(reprodução de notícia PÚBICO online, de 22/08/2016)

[cortesia de Nuno Soares da Silva]